Empresas oferecem de graça app eSSENTIAL Accessibility® aos internautas com deficiências física e visual

Pessoas com deficiências lutam diariamente por inclusão social, e o papel das tecnologias assistivas é de grande importância neste processo. No Brasil, algumas empresas e instituições estão cumprindo seu papel, disponibilizando gratuitamente uma ferramenta inovadora, capaz de dar acessibilidade no ambiente digital a quem precisa. Companhias como Renner, Magazine Luiza, BRF, Tok&Stok, Hering, Estapar, o Grupo Educacional Cruzeiro do Sul, Mastercard, 3M, Merck e Samsung, além da Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos (Andef), oferecem em seus sites o app eSSENTIAL Accessibility®.

O eSSENTIAL Accessibility® é um app para computadores pessoais, que auxilia os usuários com dificuldades de controlar o mouse, usar o teclado ou ler na tela. O download é feito uma única vez e é gratuito para o usuário final. Na prática, o app funciona como um navegador com recursos de acessibilidade, como por exemplo o que permite controlar o cursor com movimentos do rosto e comandos de voz, leitor de página, teclado na tela, além de outros. Pessoas com dificuldades de movimentação, deficiência visual moderada, dislexia, iliteracia e outros problemas que dificultam a leitura podem ser beneficiadas.

“De acordo com o último Censo do IBGE divulgado em 2010, cerca de 45 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência no Brasil, o que representa quase de ¼ da população, sendo que mais de 15 milhões de pessoas se encontram em situações mais severas”, explica Aurélio Pimenta, diretor da eSSENTIAL Accessibility® no Brasil.

Um dos parceiros da eSSENTIAL Accessibility® no Brasil, o Grupo Cruzeiro do Sul Educacional, disponibiliza o aplicativo para ser baixado em todos os seis portais da organização. A implementação da ferramenta se deu de forma gradual, começando pela Universidade da Cidade de São Paulo (UNICID), em função da presença do Núcleo de Acessibilidade (Nace) na universidade.

“A adoção de um app de tecnologia assitiva nos portais de nossas instituições teve como propósito beneficiar as pessoas com deficiências, dando-lhes autonomia e permitindo que elas não só naveguem, mas também contribuam com a instituição, melhorando o atendimento aos nossos alunos e à comunidade externa”, afirmou Stephania Fincatti, gerente de marketing digital da Cruzeiro do Sul Educacional.

Uma das empresas pioneiras a disponibilizarem a eSSENTIAL Accessibility® no e-commerce de varejo, a Magazine Luiza acredita que o aplicativo tem um papel de inclusão desses usuários com necessidades especiais à internet. O diretor de comércio eletrônico do Magazine Luiza Decio Sonohara disse que no Brasil, esse público é digitalmente excluído por algumas empresas, que acabam deixando de lado iniciativas que contribuem para incluí-los também social e economicamente. “A decisão de buscar um parceiro que oferecesse uma solução para este público surgiu da necessidade de exercer nosso papel na sociedade e, consequentemente, possibilitar a eles uma experiência de compra diferenciada para que possam ter a escolha de comprar pela internet”.

Além de empresas de comércio eletrônico e instituições de ensino, organizações que não lidam diretamente com o cliente final, já aderiram à coalizão eSSENTIAL Accessibility®.
A Brasil Foods, por exemplo, é uma dessas companhias que oferecem a tecnologia da eSSENTIAL Accessibility® , justamente por entender a importância da responsabilidade social.

A BRF valoriza a diversidade e entende que a acessibilidade é essencial para se conectar com mais clientes, parceiros e consumidores. A iniciativa surgiu para que as pessoas com deficiência possam ter acesso a todas as informações do nosso site, mas também para possibilitar que tenham a mesma experiência na web que qualquer outro internauta possui”, diz Andrea Dietrich, gerente de Marketing Corporativo da BRF.

Os softwares existentes no mercado para atender à demanda de pessoas com deficiência podem custar até milhares de reais. Ao oferecer o app gratuitamente, estas instituições estão contribuindo para a inclusão da comunidade com deficiência e promovendo a fidelização destes como clientes.

Sobre a eSSENTIAL Accessibility®

A eSSENTIAL Accessibility® é uma empresa canadense com seis anos de atuação no mercado de tecnologia assistiva. Foi criada pelos canadenses Simon Dermer e Spiro Papathanasakis, profissionais que trabalharam anos para as maiores organizações de assistência médica e de reabilitação na América do Norte.

A companhia, que trabalha para mais de 120 empresas, atua nos EUA, Canadá, Austrália e Brasil e está começando a expandir sua presença para outros países do mercado da América Latina.

Fonte: R7

Anúncios

Empresas oferecem de graça app eSSENTIAL Accessibility® aos internautas com deficiências física e visual

Pessoas com deficiências lutam diariamente por inclusão social, e o papel das tecnologias assistivas é de grande importância neste processo. No Brasil, algumas empresas e instituições estão cumprindo seu papel, disponibilizando gratuitamente uma ferramenta inovadora, capaz de dar acessibilidade no ambiente digital a quem precisa. Companhias como Renner, Magazine Luiza, BRF, Tok&Stok, Hering, Estapar, o Grupo Educacional Cruzeiro do Sul, Mastercard, 3M, Merck e Samsung, além da Associação Niteroiense dos Deficientes Físicos (Andef), oferecem em seus sites o app eSSENTIAL Accessibility®.

O eSSENTIAL Accessibility® é um app para computadores pessoais, que auxilia os usuários com dificuldades de controlar o mouse, usar o teclado ou ler na tela. O download é feito uma única vez e é gratuito para o usuário final. Na prática, o app funciona como um navegador com recursos de acessibilidade, como por exemplo o que permite controlar o cursor com movimentos do rosto e comandos de voz, leitor de página, teclado na tela, além de outros. Pessoas com dificuldades de movimentação, deficiência visual moderada, dislexia, iliteracia e outros problemas que dificultam a leitura podem ser beneficiadas.

“De acordo com o último Censo do IBGE divulgado em 2010, cerca de 45 milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência no Brasil, o que representa quase de ¼ da população, sendo que mais de 15 milhões de pessoas se encontram em situações mais severas”, explica Aurélio Pimenta, diretor da eSSENTIAL Accessibility® no Brasil.

Um dos parceiros da eSSENTIAL Accessibility® no Brasil, o Grupo Cruzeiro do Sul Educacional, disponibiliza o aplicativo para ser baixado em todos os seis portais da organização. A implementação da ferramenta se deu de forma gradual, começando pela Universidade da Cidade de São Paulo (UNICID), em função da presença do Núcleo de Acessibilidade (Nace) na universidade.

“A adoção de um app de tecnologia assitiva nos portais de nossas instituições teve como propósito beneficiar as pessoas com deficiências, dando-lhes autonomia e permitindo que elas não só naveguem, mas também contribuam com a instituição, melhorando o atendimento aos nossos alunos e à comunidade externa”, afirmou Stephania Fincatti, gerente de marketing digital da Cruzeiro do Sul Educacional.

Uma das empresas pioneiras a disponibilizarem a eSSENTIAL Accessibility® no e-commerce de varejo, a Magazine Luiza acredita que o aplicativo tem um papel de inclusão desses usuários com necessidades especiais à internet. O diretor de comércio eletrônico do Magazine Luiza Decio Sonohara disse que no Brasil, esse público é digitalmente excluído por algumas empresas, que acabam deixando de lado iniciativas que contribuem para incluí-los também social e economicamente. “A decisão de buscar um parceiro que oferecesse uma solução para este público surgiu da necessidade de exercer nosso papel na sociedade e, consequentemente, possibilitar a eles uma experiência de compra diferenciada para que possam ter a escolha de comprar pela internet”.

Além de empresas de comércio eletrônico e instituições de ensino, organizações que não lidam diretamente com o cliente final, já aderiram à coalizão eSSENTIAL Accessibility®.
A Brasil Foods, por exemplo, é uma dessas companhias que oferecem a tecnologia da eSSENTIAL Accessibility® , justamente por entender a importância da responsabilidade social.

A BRF valoriza a diversidade e entende que a acessibilidade é essencial para se conectar com mais clientes, parceiros e consumidores. A iniciativa surgiu para que as pessoas com deficiência possam ter acesso a todas as informações do nosso site, mas também para possibilitar que tenham a mesma experiência na web que qualquer outro internauta possui”, diz Andrea Dietrich, gerente de Marketing Corporativo da BRF.

Os softwares existentes no mercado para atender à demanda de pessoas com deficiência podem custar até milhares de reais. Ao oferecer o app gratuitamente, estas instituições estão contribuindo para a inclusão da comunidade com deficiência e promovendo a fidelização destes como clientes.

Sobre a eSSENTIAL Accessibility®

A eSSENTIAL Accessibility® é uma empresa canadense com seis anos de atuação no mercado de tecnologia assistiva. Foi criada pelos canadenses Simon Dermer e Spiro Papathanasakis, profissionais que trabalharam anos para as maiores organizações de assistência médica e de reabilitação na América do Norte.

A companhia, que trabalha para mais de 120 empresas, atua nos EUA, Canadá, Austrália e Brasil e está começando a expandir sua presença para outros países do mercado da América Latina.

Fonte: R7

Engenharia de Tecnologia Assistiva

Assista o Vídeo do CREA de Minas Gerais
engenharia_TA
(Imagem de uma pessoa com deficiência sendo transportada em uma cadeira de rodas customizada segundo suas necessidades.)
http://www.galvaofilho.net/noticias/engenharia_TA.htm

>> Anatel recebe sugestões para melhorar acessibilidade de pessoas com >> deficiência

>> A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) esta recebendo sugestõesde sugestões para a proposta do Regulamento Geral de Acessibilidade em
>> Telecomunicações (RGA). Dessa forma, a agência pretende eliminar falhas
>> entre as obrigações atuais de acessibilidade previstas pela Anatel e os
>> direitos das pessoas com deficiência estabelecidos tanto pela legislação
>> brasileira quanto por convenções e recomendações internacionais.
>> Por meio dessa proposta, a agência definirá medidas para a modernização
>> dos orelhões adaptados para pessoas com deficiência auditiva – por meio
>> de recursos como videochamadas, envio e recebimento de mensagens, acesso
>> à internet diretamente pelo terminal ou por meio de conexão sem fio – e o
>> estabelecimento de regras que “proporcionem às pessoas com deficiência a
>> fruição de serviços de telecomunicações e a utilização de equipamentos em
>> igualdade de oportunidades com as demais pessoas”.
>> Dessa forma, cria mecanismos que resgatam e reforçam os direitos das
>> pessoas com deficiência, entre eles o direito à acessibilidade, à
>> isonomia e ao atendimento especializado e individualizado.
>> Entre as medidas de promoção da acessibilidade no setor, estão a
>> padronização de obrigações relativas à disponibilidade de informações em
>> formato acessível; a oferta de planos de serviço específicos para pessoas
>> com deficiência auditiva; a existência de mecanismos de interação com o
>> consumidor que atendam às expectativas das pessoas com deficiência; a
>> existência de atendimento especializado; e a disponibilidade de site
>> acessível.
>> De acordo com o Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística
>> de 2010, 23,9% da população (45,6 milhões de pessoas) têm algum tipo de
>> deficiência – visual, auditiva, motora, mental ou intelectual.
>> O RGA pretende também criar condições para a expansão das centrais de
>> Intermediação de Comunicação, com a possibilidade de compartilhamento de
>> custos por parte das prestadoras, que poderiam adotar uma central
>> integrada ou terceirizada, a utilização de tecnologias para permitir a
>> intermediação por vídeo e mensagens e o fomento do uso da Língua
>> Brasileira de Sinais (Libras).
>>
>> A Anatel informa que a proposta apresentada é fruto de debates feitos em
>> 2014 com representantes das prestadoras, da indústria, dos consumidores,
>> de pessoas com deficiências auditivas, da Secretaria Nacional de Promoção
>> dos Direitos das Pessoas com Deficiência e do Ministério das
>> Comunicações, além de contribuições obtidas durante consultas públicas.
>> A abertura dessa nova etapa de consultas foi publicada no Diário Oficial
>> da Uniãode hoje (18).
>> As contribuições e sugestões devem ser encaminhadas, preferencialmente,
>> por meio do formulário eletrônico do Sistema Interativo de Acompanhamento
>> de Consulta Pública, disponível no site da Anatel,
>> ou por meio da página http://www.anatel.gov.br/dialogo/, até as 24h do
>> dia 2 de outubro de 2015.

Fonte Agência Brasil

Inovação: grandes empresas se unem para criar tecnologias de acessibilidade

Empresas de peso como Facebook, Yahoo!, Microsoft e Dropbox estão se
unindo em prol de algo em comum: o desenvolvimento de mais tecnologias
destinadas às pessoas com diferentes tipos de deficiências. Juntas,
essas companhias e demais parceiros do ramo de educação, como as
universidades de Stanford e Carnegie Mellon, criaram um grupo chamado
Teaching Accessibility (ou, em português, Ensinando Acessibilidade).

O objetivo é desenvolver tecnologias que qualquer um pode usar, com
modelos de treinamento e ensino para jovens estudantes programarem
experiências acessíveis. O grupo analisará interações entre o homem e
o computador, engenharias de educação e conceitos de design que
atendam a populações diferentes, com pessoas com deficiência em mente.

Um momento histórico e importante

O anúncio do Teaching Accessibility coincide com o vigésimo quinto
aniversário do Ato de Americanos com Deficiências, assinado pelo
ex-presidente George Bush em 1990 e que garante benefícios a essa
parcela da população. De acordo com publicação do Teaching
Accessibility, estudantes de diferentes campos do conhecimento
precisam aprender a criar tecnologias que sejam verdadeiramente
inclusivas aos mais variados tipos de deficientes.

“A acessibilidade deve ser tornar algo popular, pois só assim as
tecnologias atingirão o verdadeiro potencial de conectar todo mundo”,
diz um anúncio do grupo. Empresas como Google, Apple e IBM também
estão reunindo esforços para fazer com que seus produtos sejam mais
inclusivos a todos. Esperamos que bons frutos saiam das parcerias
entre as empresas do Teaching Accessibility.

Fonte: Venture Beat

Estudantes baianos criam bengala automática de baixo custo para cegos

O projeto, que surgiu em um grupo de pesquisa do Ifba, concorre a prêmio na
Campus Party. Ideia é comercializar a bengala com preços acessíveis

Já imaginou se um cego pudesse andar pela cidade com uma
bengala que lhe impedisse de esbarrar em objetos apenas com uma vibração? Um
grupo de estudantes do Instituto Federal da Bahia (Ifba) desenvolveu ao
longo de oito meses um projeto voltado para ajudar pessoas com necessidades
visuais específicas.

A ideia partiu do professor Justino Medeiros que, junto com três integrantes
do Grupo de Pesquisa de Sistemas de Automação e Mecatrônica (GSAM), elaborou
a Bengala Automatizada para Detecção de Obstáculos. O segundo protótipo da
ferramenta foi um dos projetos selecionados para exibição na Campus Future,
que faz parte da quarta edição da Campus Party Recife.

O objetivo do evento é exibir ao público em geral projetos inovadores e
criativos desenvolvidos nas universidades brasileiras em diversas áreas.
O projeto dos estudantes do Ifba também concorre a uma premiação no final da
Campus Party, que encerrou no dia (26).

A proposta da criação da bengala surgiu a partir da convivência com
deficientes visuais no próprio local de estudo. “Nós vimos uma demanda no
Ifba”, relembra o estudante de engenharia elétrica Victor Ben-Hur Araújo, de
23 anos, em entrevista ao CORREIO durante o segundo dia evento (24).

“Lá existe um núcleo de deficientes visuais, auditivos e motores que estudam
normalmente, assistem aula com a gente. Nós vemos diariamente alguns alunos
deficientes visuais trafegando pela instituição e o professor Justino chegou
com essa ideia para facilitar o dia-a-dia deles”.

Bengala automizada tem três sensores e
deverá custar cerca de R$ 300.

O grupo, que ainda conta com o estudante de engenharia mecânica Eric Pessoa
e Larissa Assis, aluna do curso técnico de automação do Ifba, determinou que
a ferramenta contaria com quatro sensores que alertariam o seu usuário da
proximidade e localização de um obstáculo nas imediações.

“Decidimos que a detecção dos objetos se daria através de sensores separados
por zonas – a esquerda, a direita, a central e superior”, disse Victor.
“Essa detecção é feita e processada em uma plataforma chamada Arduino”,
explica.

Este tipo de plataforma é de hardware livre, ou seja, gratuito, e permite a
criação de ferramentas acessíveis, de baixo custo e fáceis de serem
utilizadas e customizadas. “O controle é feito ali [no Arduino] e passado
para os motores de vibração, que ficam na luva da bengala”.

O objetivo geral do produto, segundo o estudante baiano, é desenvolver um
instrumento de baixo custo que seja acessível à população de deficientes
visuais. “Queremos dar para eles uma ferramenta a mais, de tecnologia
assistiva, que só acrescente aos sentidos que eles já usam.
Com a bengala eles terão um acréscimo, um objeto eletrônico que lhe propicie
uma segurança maior nas ruas”.

O diferencial da bengala desenvolvida pelos pesquisadores baianos vai além
do uso de quatro sensores – dois a mais do que o utilizado por Carlos Solon
Guimarães, brasileiro que desenvolveu um protótipo com dois sensores como
trabalho de conclusão de curso de uma universidade no Rio Grande do Sul, em
2011.

O instrumento informa ao usuário em que lado o obstáculo se localiza, e se
ele está localizado acima do tronco da pessoa. “A detecção na parte da face,
por exemplo, evita o risco de colisões com orelhões ou outros objetos que
estejam fora do alcance tátil dele”, comenta Victor Araújo.

“O motor da direita informa que o objeto está daquele lado, e na esquerda o
oposto. O motor que está localizado na palma corresponde ao centro – ou
seja, o obstáculo está na frente da pessoa. E quando ele está na parte
superior, todos os motores vão vibrar ao mesmo tempo”, exemplificou.

Além da localização, a bengala dos estudantes do Ifba também alerta sobre a
proximidades do objeto. Quanto mais próximo o usuário esteja do obstáculo,
mais forte será essa vibração. O protótipo atual detecta objetos na região
inferior com até 70 cm de distância da pessoa, enquanto objetos na região
superior e da cabeça conseguem ser percebidos com até 1,10 metro de
distância.

Ainda segundo o estudante de engenharia elétrica, essas percepções podem ser
ajustadas de acordo com a necessidade do cliente, que pode escolher diminuir
a distância em que os alertas poderão ser feitos. A perspectiva é de que a
bengala custe em torno de R$ 300.

O projeto está encerrando a sua primeira fase após oito meses de pesquisas e
desenvolvimento. “Já apresentamos a bengala em um fórum mundial, e vamos
para outro congresso em Aracaju para apresentá-la também. Queremos
transformar isso em produto e colocá-la no mercado assim que possível”,
garante Victor.

Os estudantes estão planejando transformar o protótipo em uma startup a
partir do próximo mês. Com o lançamento do produto, que está previsto para
acontecer até o final deste ano, a rotina dos deficientes visuais pode se.

Niki reinventa o zíper e cria tênis para pessoas com deficiência

O tênis que usa o Flyease é aberto como se fosse uma laranja. Há um zíper que vai de um canto a outro e, no final, se conecta a um velcro que faz o resto do trabalho.

Graças a um episódio que começou há sete anos, a Nike está desenvolvendo tênis que podem ser calçados e ajustados com apenas uma mão, o que vai facilitar a vida de pessoas com mobilidade reduzida. E a empresa fez isso reinventando o zíper.

Tudo começou quando Jeff Johnson, que havia sido o primeiro funcionário da Nike, sofreu um acidente vascular cerebral e perdeu a articulação da mão direita. Mark Parker, o CEO da empresa, acionou o diretor de inovações atléticas, Tobie Hatfield, e pediu que ele desenvolvesse um calçado que pudesse ser usado pelo ex-companheiro. O resultado foi um modelo com duas tiras de velcro cruzadas que Johnson poderia usar durante sua recuperação.

O caso ficou dormente até 2012, quando Parker acionou Hatfield outra vez, desta vez para atender um garoto de 16 anos que vivia em Miami. Matthew Walzer, que teve paralisia cerebral, era fanático pela Nike e escreveu em seu blog que os tênis da marca eram melhores que os calçados ortopédicos, pois não causam bolhas por manter pernas e pés estabilizados. O problema é que ele não conseguia amarrar os próprios tênis.

Parker queria ajudar Walzer, e foi aí que Hatfield começou a trabalhar no que viria a se transformar no Flyease, a reinvenção do zíper. O diretor passou a conversar frequentemente com o garoto, que recebia protótipos e depois contava o que tinha achado do trabalho, até que chegaram ao ponto atual.

Quando aberto, há espaço suficiente para colocar e tirar o pé sem nem mesmo encostar as mãos no tênis.

Hatfield disse à Fast Co. que a tecnologia ainda não está totalmente pronta, mas será lançado mesmo assim porque a Nike entende que do jeito que está ela já é capaz de ajudar pessoas na mesma situação de Walzer. A ideia, entretanto, não é ter uma linha só para quem tem mobilidade reduzida, tanto que o próprio executivo tem um modelo particular que ele usa para correr, e que acelera sua passagem pela área de segurança dos aeroportos (onde é preciso ficar descalço).

O primeiro modelo a sair com o sistema é o LeBron Soldier 8 FLYEASE, que será lançado em quantidade limitada no final de julho.

Fonte: Olhar Digital