Ministério do Turismo lança aplicativo para pessoas com deficiência

Um aplicativo para celulares e tablets, em que os usuários poderão avaliar a acessibilidade de atrações turísticas em todo o Brasil, foi lançado (3) pelo Ministério do Turismo, no Dia Internacional da Pessoa com Deficiência. A ferramenta Turismo Acessível é uma extensão do site http://www.turismoacessivel.gov.br.

O ministro do Turismo, Vinícius Lages, apresenta o aplicativo para celular Turismo Acessível, que facilitará a vida de pessoas com deficiência

“O aplicativo é um espaço colaborativo para que a pessoa com deficiência possa avaliar os equipamentos de turismo. Avaliando, se cria todo um processo de referência para que a pessoa com deficiência, quando for viajar, poder se planejar, saber se naquela cidade, naquele equipamento, ele tem condições adequadas para sua condição específica”, explicou à Agência Brasil o ministro do Turismo, Vinicius Lages.

O aplicativo detecta automaticamente a localização do usuário que, ao acessá-lo, escolhe o tipo de empreendimento ou atração turística. Ele pode localizar restaurantes, hotéis, lojas, shoppings, museus, parques, praias, eventos e outros serviços. Segundo o ministério, mais de 530 mil estabelecimentos estão cadastrados no serviço, com base em dados fornecidos pela Receita Federal.

Ao selecionar o estabelecimento, o usuário escolhe que tipo de perspectiva de acessibilidade deseja avaliar (auditiva, física ou motora, visual e mobilidade reduzida). Em seguida, responde a algumas perguntas, dá uma nota e faz um comentário sobre a experiência no estabelecimento. As respostas e a média das notas, que variam de 0 a 10, ficam disponíveis no aplicativo e podem permitir às pessoas com deficiência escolher os lugares com melhor acessibilidade.

De acordo com o ministro, a ideia é transformar a ferramenta em um guia para pessoas com deficiência. “Queremos criar um movimento nacional de colaboração, com as opiniões de quem vivenciou a experiência e cada vez mais os equipamentos turísticos. Viver sem limite significa viajar sem limites, ter experiências de turismo sem limites”, disse.

O aplicativo está disponível para download gratuito para smartphones e tablets que utilizam os sistemas Android, iOS e Windows Phone.

Aplicativo inclusivo avalia acessibilidade

Já imaginou avaliar a acessibilidade os lugares que você
frequenta e compartilhar sua experiência para
promover a inclusão das pessoas com deficiência?
Agora você já pode fazer isso com o clapp-in!
O clapp-in é um aplicativo gratuito para avaliação e mapeamento de espaços públicos e privados sobre sua acessibilidade
para pessoas com deficiência.
A principal vocação desta iniciativa
inovadora, é servir de ferramenta para
fomentar a melhoria da acessibilidade e promover a
inclusão social das pessoas com deficiência no turismo e lazer.
Baixe seu aplicativo gratuitamente e participe desta rede inclusiva para avaliação da acessibilidade de bares, restaurantes, hotéis, parques, museus, cinemas, casas de show e assim por diante…

Fonte: Portal IG

O acervo artístico dos monumentos de Brasília também encanta pelo toque.

Por meio do projeto Brasília Tátil, dezenas de deficientes visuais e pessoas que convivem com indivíduos de pouca ou nenhuma visão podem participar das atividades turísticas da Capital Federal e aproveitar a cidade que é Patrimônio Mundial.
No projeto, os participantes vivenciam aspectos paisagísticos, urbanísticos, arquitetônicos e artísticos de Brasília sob novas perspectivas relacionadas às artes visuais, que contempla monumentos e espaços culturais da cidade, como o Museu Vivo da Memória Candanga, o Espaço Lúcio Costa, o Panteão da Pátria, o Congresso Nacional e o Palácio do Itamaraty.
Para este percurso foram eleitas obras propícias à estimulação tátil e as pessoas com baixa visão e com visão perfeita simulam situação de cegueira para uma interpretação diferenciada do patrimônio e da paisagem, roteiro que tem autorização especial para inclusão do toque.
Para aperfeiçoar o passeio e difundir as informações corretas de como lidar com este público, a equipe do Brasília tátil coordena minicursos de um dia de duração, que incluem noções de acessibilidade focada na orientação e mobilidade técnica do guia vidente e audiodescrição, além de boas praticas de atendimento e relacionamento específico para pessoas com este tipo de deficiência.
“Na primeira etapa do projeto educativo, atendemos aproximadamente 40 professores de escolas inclusivas do DF com e sem deficiência visual. Também atendemos 2 turmas de adultos de algumas escolas públicas do Distrito Federal- em Sobradinho e São Sebastião – que tinham alunos com deficiência visual. Eram voluntários ligados a pessoas com deficiência visual”, contabilizou o coordenador geral do projeto, César Achkar Magalhães.
A última aula aconteceu no início deste mês, quando foram capacitadas cerca de 40 pessoas entre arte-educadores e mediadores do espaço cultural ou turístico de Brasília. “Não havíamos pensado em abrir novas turmas, mas existe a possibilidade fora do projeto”, disse o coordenador.

O Brasília Tátil é realizado pela Associação Brasiliense de Deficientes Visuais (ABDV), que completa o curso com uma oficina de modelagem em argila, onde os alunos podem reproduzir tudo o que conheceram pela cidade em forma de arte.

Fonte: Turismo Adaptado