Protótipo feito de lixo eletrônico ajuda pessoa com deficiência a jogar Pôquer no Sertão

Protótipo foi criado para que Zeca pudesse jogar partidas de Pôquer. Zeca aciona, através de controle de pé, luzes que expressam escolhas.

José Wilson da Silva, de 27 anos, tem uma deficiência que o impede de falar e se locomover sozinho. Contudo, dentro das suas limitações, ele guarda um hobby que é o de jogar Pôquer. Para que ‘Zeca,’ como é conhecido, pudesse ter maior autonomia nos jogos, dois amigos seus de Petrolina, no Sertão pernambucano, criaram o ZPC-01 (Zeca Poker Comunicator) com o uso de lixo eletrônico. O protótipo mostra, através de luzes, as escolhas de Zeca no jogo.

A invenção é de Lucas Damião da Cruz e de Euclides Marques. O estudante de engenharia da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf), Lucas Damião, participa de um grupo de enxadristas que funciona no Centro Cultural Ana das Carrancas. “Conheci Zeca no Clube de Xadrez e como estamos com um clube de robótica no mesmo lugar, o Instituto Robovasf, acabamos envolvendo os dois e o Pôquer”, explica Lucas.

Euclides Marques explica que Zeca foi aluno do ‘Carranca Xadrez Clube’, projeto social do Centro de Cultura Ana das Carrancas e que ele se interessou pelo Pôquer vendo as fotos do ‘Carranca Poker Team’ , um grupo em uma rede social. “Ele começou a jogar online e a me desafiar online. Um dia dei atenção e percebi que ele jogava acima da média. Foi quando decidi a trazê-lo ao clube presencial mesmo sabendo das suas dificuldades”.

Para Zeca participar do jogo, ele precisava de um acompanhante para auxiliá-lo. “O sobrinho do Zeca ficava com ele, mas discordava das suas opiniões.Foi quando notei que precisávamos desenvolver uma linguagem com Zeca. Tentamos movimento de cabeça, então chamei o grupo de Robótica e, juntamente com um dos membros, o Lucas, desenvolvemos um protótipo de comunicação usando sinais luminosos e botões, já que Zeca tem habilidades com os pés”, conta Euclides.

O protótipo ZPC-01 (Zeca Poker Comunicator) foi criado com lixo eletrônico para informar aos jogadores e o croupier, pessoa que distribui as cartas, as decisões do Zeca utilizando botões e luzes. Em uma plataforma, que fica a altura dos seus pés, ele tem à sua disposição cinco botões, sendo um para desligar e os outros quatro para acionar led’s que ficam em outra plataforma sobre a mesa. Na plataforma dos led’s, cada led ou combinação de led’s tem uma função, sendo elas: ‘Fold’, ‘Call’, ‘Bet’, ‘Raise’ e ‘All-in’

O ZPC-01 torna possível a interação direta entre Zeca e os demais envolvidos no jogo de Pôquer. A ideia da dupla é melhorar ainda mais o protótipo. “Usamos a luz para sinalizar os desejos do Zeca. Agora estamos pensando em modernizar com alguns mecanismos, que seria um equipamento de voz, que sai um som. Por enquanto, ele ainda precisa de alguém para auxiliar segurando as cartas”, destaca Lucas.

A ideia também é alcançar outras pessoas com a invenção. “A importância desse projeto é incalculável para Zeca e para ele jogar Pôquer. Foi desenvolvido para ele, mas queremos fazer implementação no projeto ou até desenvolver outro para outras pessoas”, conta Lucas. Zeca joga Pôquer também através do aplicativo de uma rede social e já ganhou 200 torneios, dos quase 500 dos quais participou. O jogo de Pôquer é um esporte de estratégia.

Como funciona o ZPC-01

Quando for a sua vez de apostar ‘Bet’, ele tem várias opções. Se não gostar da sua mão, sempre pode fazer o ‘Fold’, isto é, descartar a sua mão e deixar o pote para os outros jogadores contestarem. Já se ninguém apostou antes de si nesta rodada, ele poderá fazer o ‘Check’. O Checking significa não apostar nada e passar a vez para o jogador à sua esquerda. Porém, se um jogador antes de si apostou nesta rodada, não poderá fazer o check, mas sempre pode fazer o ‘Fold’. Mas se ele quiser jogar, tem que fazer o ‘Call’, o ‘Bet’ (a aposta) ou fazer o ‘Raise’. Para fazer o ‘Call’ põe uma aposta do mesmo tamanho da última aposta feita antes da sua. Enquanto que para fazer o ‘Raise’ coloca uma aposta maior que a última aposta antes da sua.

Projeto da Microsoft visa auxiliar pessoas com deficiência visual em tarefas cotidianas

As informações e orientações chegam aos usuários através de avisos verbais ou por “bips”.

As tarefas do cotidiano como atravessar uma rua, ir ao mercado e pegar um ônibus podem ser triviais para a maioria das pessoas, mas para os deficientes visuais essas tarefas podem se tornar um desafio. Contudo, a Microsoft teve uma iniciativa louvável, que pode tornar a rotina dessas pessoas mais fácil, com o projeto denominado Independence Day. O projeto combina uma tecnologia que utiliza redes sem fio, smartphones e fones especiais.

Para que o projeto se torne eficaz é necessário que o terreno possua pontos de emissão via Wi-Fi ou Bluetooth. As estações ficariam responsáveis pelo tráfego de informações sobre o local para auxiliar e orientar o usuário em seu trajeto.

Os dados transmitidos pelas estações são captados pelo smartphone, que com o aplicativo adequado (Bing Maps), equipado com mapas, envia sinais sonoros, via Bluetooth, para os fones do usuário.

Os fones não são convencionais, os sinais sonoros, além de não transmitir via cabo, utilizam uma tecnologia de condução óssea para transmissão de dados. Os fones ficam abaixo da orelha, mais próximos das bochechas, por isso permite ao usuário captar outras informações sonoras do ambiente como: som dos carros, pessoas, animais, dentre outros.

As informações e orientações chegam aos usuários através de avisos verbais ou por “bips”. A intensidade dos “bips” indica a proximidade de um obstáculo ou desvio, uma sequência mais rápida indicaria a chegada de uma curva, por exemplo. Além da chegada de uma curva os sinais podem transmitir o lado e a acentuação da curva.

O Projeto é fruto de uma parceria de duas ONGs, a Catapult e Guide Dogs e já está em teste em Londres (Inglaterra). Ainda há algumas adaptações e melhorias a serem feitas, mas os resultados já apresentam expressivas melhorias para a qualidade de vida dos deficientes visuais. A Microsoft, que também trabalha no projeto, não revelou uma data para o lançamento da tecnologia.

O novo produto faz beijos ao nome, que em português significa Dia da Independência.

Sancionada lei que reduz tributos de produtos para pessoas com deficiência

O Diário Oficial da União publica hoje (18) a lei que reduz a zero as
alíquotas do PIS/Pasep e da Contribuição para o
Financiamento
da Seguridade Social (Cofins) incidentes sobre 27 produtos voltados a
pessoas com deficiência.

Entre os produtos estão calculadoras equipadas com sintetizador de
voz,
teclados com adaptações específicas, mouses com acionamento por
pressão, digitalizador de imagens – scanners – equipados com
sintetizador de voz, lupas
eletrônicas, próteses oculares e softwares de leitores de tela que
convertem o texto em voz ou em caracteres braille, para utilização de
surdos-cegos.

A medida faz parte do Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com
Deficiência (Plano Viver sem Limite),
lançado
pelo governo federal no ano passado. Também contam com isenção desde
novembro do ano passado, data de publicação da Medida Provisória
549/11, partes e
peças para cadeiras de
rodas.

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 45,6
milhões de pessoas têm algum tipo de deficiência no país, o que
corresponde a 23,91%
da população brasileira.

Fonte: Agência Brasil

Primeiro telefone Braille do mundo começa a ser comercializado

Nesta sexta-feira-, a empresa OwnFone anunciou o primeiro telefone Braille do mundo. De acordo com a Companhia, o telefone pode ser personalizado, pois a parte da frente e de trás do telefone foi construída usando técnicas de impressão 3D.

A Companhia afirma que seu dispositivo é o primeiro de seu tipo para ir à venda. O telefone, atualmente disponível apenas no Reino Unido, é vendido por £ 60. ” A impressão 3D fornece uma maneira rápida e de baixo custo para criar botões personalizados em Braille”, disse Tom Sunderland, o inventor do telefone.

De acordo com a Companhia, o dispositivo foi projetado para fornecer uma conexão instantânea entre usuários cegos e seus amigos e familiares.

Primeiro telefone Braille do mundo começa a ser comercializado

Fonte: http://pt.kioskea.net/news/23596-primeiro-telefone-braille-do-mundo-comeca-a-ser-comercializado

Aplicativo denuncia quem estaciona ilegalmente em vaga para pessoas com deficiência

Estacionar em vaga especial quando não se é especial.
Comentário SACI: “É necessário esclarecer que o termo correto ao se referir a alguém com deficiência é pessoa com deficiência e não “pessoa portadora de deficiência”. Essa revisão do termo “portador” para pessoa com deficiência já havia ganhado muita força em 2006, com a promulgação da Declaração dos Direitos Humanos Fundamentais das Pessoas com deficiência da Organização das Nações Unidas ratificada no Brasil em 2008. Por fim, no dia 03 de novembro de 2010 foi publicada a Portaria n. 2.344 da Secretária de Direitos Humanos da Presidência da República que regularizou oficialmente as terminologias legais aplicadas as leis sobre a matéria, instituindo legalmente o termo Pessoas com Deficiência abolindo de vez o termo portador de deficiência.” de Eduardo Martins de Miranda, Advogado – OAB/BA 36.757

Hoje, essa situação acontece em muitos lugares. Quando você se depara com isso, o que você faz? Deixa passar, tira satisfação com o motorista do veículo ou fotografa e coloca na rede social? A última opção tem sido bastante escolhida pelas pessoas.
Segundo a lei federal nº 10.098, pelo menos 2% do total de vagas de um estacionamento devem ser reservadas para veículos que transportem pessoas portadoras de deficiência física ou visual, desde que devidamente identificados.
Foi com essa ideia que surgiu a criação de um aplicativo que acusa esses infratores. O Parking Mobility permite denunciar violações de estacionamento em menos de dois minutos. Tudo funciona com apenas três fotos. A primeira deve ser da traseira do carro, indicando a placa, a marca e o modelo. A segunda, mais ampla, precisa mostrar o veículo, o estacionamento e o local reservado para deficientes. A última foto é do pára-brisa dianteiro, permitindo saber se o carro é ou não autorizado a estacionar no local.
Depois dessas etapas, o denunciante deve compartilhar com outros usuários ou encontrar locais para portadores de deficiência em qualquer lugar, sempre a partir de sua localização atual.
O aplicativo, gratuito, está disponível para Android, Iphone, Ipad, Ipod touch e Blackberry.
https://itunes.apple.com/br/app/parking-mobility/id337141354?mt=8
http://www.parkingmobility.com/

Fonte: REDE SACI

Libras na web

Em mais uma iniciativa para promover a acessibilidade na Internet e facilitar a comunicação com pessoas surdas, o ProDeaf lança o WebLibras (www.weblibras.com.br), um software que traduz automaticamente os conteúdos escritos em português para a Língua Brasileira de Sinais (Libras).

A nova ferramenta pode ser utilizada por qualquer pessoa ou empresa que deseje tornar seu site ou blog acessível no segundo idioma oficial do Brasil. E, por conta do lançamento, o WebLibras está sendo disponibilizado gratuitamente, por tempo limitado, para blogs pessoais e algumas ONGs.

“O WebLibras é uma maneira rápida e econômica que oferecemos para as pesso as e empresas que entendem a importância de falar com a imensa população de pessoas surdas e com deficiência auditiva que temos hoje no Brasil”, afirma Flavio Almeida, diretor do ProDeaf, lembrando que a Libras é utilizada por mais de 5 milhões de brasileiros.

O novo software funciona como uma espécie de Google Translator, em que o texto selecionado é traduzido em tempo real, automaticamente. Ao navegar em um site que tenha a ferramenta, basta o internauta clicar sobre o símbolo internacional de surdez (uma orelha azul cortada por um traço branco) para ativar o recurso. A partir daí, uma janela se abre com um avatar em 3D – carinhosamente batizado de Artur -, que fará a tradução do texto selecionado pelo internauta.

A implementação
Para facilitar a implementação do WebLibras, o ProDeaf desenvolveu um plug-in que pode ser facilmente instalado em um site pelo próprio administrador da página. “Não é preciso nenhum grande conhecime nto técnico”, assegura Almeida. O plugin está disponível em http://www.weblibras.com.br.

O WebLibras é temporariamente gratuito para sites pessoais e blogs que realizem até mil traduções por mês. Para endereços que realizem entre mil e 10 mil traduções mensais, o ProDeaf cobra uma mensalidade de R$ 1.000. E, para empresas maiores, cujas páginas na web demandem mais de 10 mil traduções ao mês, o ProDeaf faz propostas específicas para cada caso.

“Cada vez que um visitante clicar numa frase e ela for traduzida pelo Artur, será incrementada a contagem. Ou seja, se um site tem 100 páginas, ou apenas cinco, não faz diferença. O que importa é quantas traduções foram realizadas. O cliente do WebLibras terá uma área restrita (Painel de Acesso) através do qual ele (o administrador do site) poderá visualizar o número de traduções executadas no últim o mês.”

A ferramenta, que utiliza tecnologia ProDeaf de tradução, permite que, de acordo com o plano contratado, as traduções sejam melhoradas manualmente em seções específicas do site para se atingir um grau ótimo de comunicação. “Além disso, o ProDeaf conta com uma equipe de profissionais altamente qualificados trabalhando na melhoria contínua do processo de tradução automática”, afirma Almeida.

Sobre o ProDeaf
O ProDeaf é um software inédito para tradução de conteúdo falado e escrito em Português para a Língua Brasileira de Sinais (Libras), o segundo idioma oficial do país, utilizado por mais de 5 milhões de brasileiros. O projeto é carro-chefe da empresa homônima (www.prodeaf.net), uma startup pernambucana especializada em tecnologias assistivas focadas na comunicação e integração social de su rdos e ouvintes.

Em linha com a missão da empresa, de permitir a quebra das barreiras de comunicação, o software apresenta soluções viáveis para o mercado corporativo e usuários finais, incluindo a tradução de sites e vídeos para Libras e disponibilizando aplicativos gratuitos que traduzam o som falado e escrito em Português para a língua de sinais, em tempo real.

Com operações em Recife (PE) e São Paulo, a empresa oferece ao mercado serviços diferenciados e orientados por qualidade, resultado e especialização. É uma startup acelerada da academia de inovação da Telefonica (Wayra) e parceira da Microsoft.

Em 2013, o ProDeaf recebeu o Prêmio Anuário Tele.Síntese de Inovação em Comunicações. A empresa foi vencedora na categoria “Desenvolvedores de Aplicações e Conteúdo”. No mesmo período, a companhia também foi vice-campeã do concurso Web’s Got Talent, realizado durante a 5ª edição da Web W3C Brasil, a maior conferência sob re a internet no País.

Fonte: Assessoria de Comunicação