Vítima de acidente volta a estudar com apoio da Tecnologia

Depois de perder quase todos os movimentos aos 17 anos, após um acidente de carro, Wellen realiza o sonho de voltar a estudar

12 de Julho de 2015

NÁFERSON CRUZ

Valdecir Nascimento, pai de Wellen, se emocionou ao ver a filha dar os primeiros passos com o sistema de mouse óptico interligado em seus dedos a um software, que permite a comunicação escrita

ASSISTA AQUI O VÍDEO

Aos 17 anos, Wellen Paula do Nascimento estava iniciando o primeiro período do curso de Direito. Ativa e cheia de sonhos, viu sua vida se transformar quando se acidentou gravemente em novembro de 2008. Sem o cinto de segurança, ela foi lançada para fora do veículo. Sobreviveu, mas perdeu quase todos os movimentos do corpo após sofrer traumatismo craniano.

Tetraplégica, ela passou a conviver com as limitações físicas que mudaram sua vida. Passou dois anos em coma e se alimentando apenas por sonda. Durante sua reabilitação na Associação de Assistência à Criança Deficiente (AACD), em São Paulo, conseguiu voltar a ingerir alimentos pastosos e se comunicar pelo movimento dos olhos e, sutilmente, com parte dos dedos da mão direita.

Entretanto, o obstáculo não foi suficiente para impedir a superação e as conquistas dessa jovem. Em 2012, durante o tratamento, Wellen conseguiu se comunicar com o fisiatra (médico especializado em Medicina Física e Reabilitação), por meio de um pequeno painel contido de vogais e cores. Apesar da dor que envolveu a família, foi naquele momento que Wellen fez o pedido aos pais Valdecir, 47, e Jucilene Nascimento. Um de seus maiores anseios: queria poder voltar a estudar.

No início deste ano, por meio da perseverança dos pais, o Centro Universitário Nilton Lins emitiu o laudo que Wellen tanto sonhava. Ela estava apta para fazer a experiência de três meses de testes para voltar à faculdade. Durante os testes, acompanhada por uma equipe multidisciplinar, a jovem Wellen conseguiu notas acima da média.

Porém, para prosseguir com os estudos, a universitária teria que interagir e desenvolver a comunicação. O que parecia um estorvo se tornou possível por meio do projeto “Mãos Livres”, que desenvolveu um mouse óptico em forma de anéis, que possibilita o movimento do cursor através dos dedos.

Esta semana, A CRÍTICA teve acesso, com exclusividade, aos primeiros testes. Foi questão de minutos para que Wellen, hoje com 24 anos, escrevesse com o teclado virtual do software “Natural Reader Free” a simples expressão “bom dia”. Valdecir, que acompanhava os procedimentos ao lado da filha, não conteve as lágrimas. Emocionado, disse: “o caminho que a minha filha trilhou para estar, de novo, entre carteiras e livros, faz dela um exemplo único de superação”.

A mãe, Jucilene, acompanha passo a passo o tratamento em casa, juntamente com uma “cuidadora”. Para ela, a fé da família e o amor depositado em Wellen é o que mais vale na vida. “Estamos nesse mundo para viver, sem questionar e sem se lamentar”.

Tecnologia aliada à saúde

O projeto de mouse óptico desenvolvido em apenas três semanas, sob o incentivo do reitor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Cleinaldo Costa, orientação do professor Manuel Cardoso, do coordenador do Núcleo de Robótica e Automação da Escola Superior da UEA, Marivan Gomes e dos professores Francisco Terton e Charles Melo, permitirá auxiliar Wellen nas aulas do curso de Direito e no acesso as redes sociais.

Francisco Terton destaca que o projeto é um passo importante, pois o Grupo de Robótica basicamente atuava na parte de automação para o setor industrial e, diante deste novo panorama, passou a atuar com a tecnologia assistiva. “Com o mouse óptico ligado ao software, Wellen digita e o próprio programa fala o que ela deseja, além disso pode acessar as redes sociais e fazer pesquisas”, explicou Terton.

Charle Melo completou dizendo que o sistema será aprimorado para outras necessidades que ela venha a ter no futuro. “Os profissionais criaram uma nova expectativa para nossa família que é comunicação e independência da Wellen”, comentou Valdecir Nascimento.

O que é tetraplegia?

Uma das limitações físicas mais severas (tetraplegia) ocorre com a perda em maior ou menor grau do movimento dos braços e pernas. Existe uma imensa gradação nessa perda de movimento, que pode ir desde a perda de força, até a imobilidade completa.

Campanha nacional

Anúncios

Um pensamento sobre “Vítima de acidente volta a estudar com apoio da Tecnologia

  1. Pingback: Vítima de acidente volta a estudar com apoio da Tecnologia - Congresso de AcessibilidadeCongresso de Acessibilidade

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s